O que as mulheres precisam saber sobre climatério e menopausa?

Médico orientando senhora durante o climatério – Mais Pfizer

O que as mulheres precisam saber sobre climatério e menopausa?

A menopausa marca o fim do ciclo reprodutivo da mulher e é reconhecida após 12 meses consecutivos da última menstruação. Ela acontece durante o climatério, fase de transição entre o período reprodutivo e não reprodutivo da mulher. Nessa época, ocorrem várias mudanças físicas, emocionais e sociais na vida da mulher. Portanto é muito importante que a mulher se informe para manter a saúde e bem-estar em dia. Continue a leitura e confira o que as mulheres precisam saber sobre o climatério e menopausa.

Sintomas do climatério

Durante o climatério, ocorre a diminuição dos hormônios produzidos pelos ovários: o estrogênio e a progesterona, o que gera alterações como:

  • Fogachos e sudorese;
  • Fadiga, palpitações, tontura e dor de cabeça;
  • Transtornos de humor, como melancolia, ansiedade, irritabilidade e sintomas depressivos;
  • Irregularidade da menstruação;
  • Diminuição da libido e secura vaginal;
  • Perda de massa óssea, aumentando o risco de osteoporose;
  • Aumento do risco de doenças cardiovasculares, hipertensão e diabetes.

O que pode atrasar ou adiantar a menopausa?

A idade da menopausa é programada de acordo com o número óvulos da mulher, sendo considerada precoce quando acontece antes dos 40 anos e tardia quando ocorre após os 55 anos. Apesar de programada geneticamente, alguns fatores influenciam o adianto ou atraso da menopausa:

Maternidade - mulheres que nunca tiveram filhos tem maior chance de entrar na menopausa mais cedo que as que foram mães.

Fatores socioeconômicos – mulheres que exercem atividades estressantes, como longa jornadas trabalho, podem entrar na menopausa mais cedo.

Altitude – em países com altitude elevada, mulheres podem apresentar a menopausa mais cedo.

Alimentação – baixo peso e desnutrição levam à menopausa precoce.

Tabagismo – em mulheres fumantes a menopausa pode adiantar entre 12 e 18 meses, pois o tabaco causa a deficiência no hormônio estrogênio, o que antecipa os sintomas.

Como conviver com o climatério?

A terapia de reposição hormonal pode ser indicada pelo ginecologista para aliviar os sintomas principais e prevenir a osteoporose. O tratamento é individualizado e seus benefícios devem superar os riscos, levando em conta a saúde geral da mulher e suas preferências pessoais.

Em paralelo ao tratamento indicado pelo médico, há diversos hábitos de vida que amenizam os sintomas do climatério e previnem possíveis doenças dessa fase, além de proporcionarem bem-estar:

Alimentação – as mudanças hormonais e de metabolismo podem gerar ganho de peso e aumentar os níveis de açúcar no sangue, colesterol e triglicérides. O ideal é manter uma dieta hipocalórica, rica em verduras, legumes, frutas, leite desnatado e derivados, evitando embutidos, frituras e carnes gordurosas. A ingestão de cálcio também é importante para evitar a osteoporose.

Exercícios físicos – além de evitar o ganho de peso, ter uma rotina com exercícios ajuda a aumentar os níveis do colesterol bom, o HDL, diminuir os níveis do colesterol total e os riscos de doenças cardiovasculares. O recomendado é se exercitar de três a cinco vezes por semana, por 40 a 60 minutos.

Controle do estresse – é recomendado procurar atividades que estimulem o raciocínio lógico e habilidades motoras, assim como programações socioculturais, como cinema, teatro, música e encontros em grupos. Elas são essenciais para a autoestima e controle dos sintomas de alteração de humor, comuns durante a fase. Fazer terapia também é uma forma de buscar o bem-estar.

Referências

 

PP-PFE-BRA-1627

13 maio, 2019

CONTEÚDO RELACIONADO

Cadastre-se